MenuNotas de Pierre Schunck sobre a libertação de Valkenburg text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
previousvolte Indexnext

Notas de Pierre Schunck sobre a libertação de Valkenburg

14 de setembro de 1944
Informações de Bob Hilleque (DB)
30ª Divisão (Old Hickory)
119º regimento
1º batalhão
company A
Capitão Simmons
No primeiro jipe ​​de Sibbe estava sentado
Bob Hilleque
Arny Fegeson (judeu Abraham)
Sammy Seroy
Bill Parker

Sentei-me como o guia no capô do jipe. Todos os jipes foram deixados no Grendelplein (entrada da cidade). Atravessamos o portão da cidade. Capitão Simmons ao meu lado, na rua Muntstraat até o Hotel Smeets-Huynen. Através dele, assustando a família Smeets, para a igreja. Atiradores subiram com o sacristão Van Ogtrop para a torre da igreja, a fim de levar os alemães do outro lado de Geul à mão armada. Os soldados ainda não haviam tomado o café da manhã a essa hora. A família Van Ogtrop preparou sopa de alho-poró do jardim do pastor. Trouxe para fora em baldes.

O capitão Simmons e eu estávamos sentados contra uma parede na margem do Geul, quando a ponte explodiu.

Então passamos pelas casas (houve disparos quando atravessamos o Grote Straat, mas não fomos atingidos). Nós queríamos ir para a escola das meninas. Não chegamos lá por causa de filmagens perto do Walramplein. Objetivo: Secar o primeiro ramo do Geul pela fechadura, a fim de permitir a passagem dos soldados. Mais tarde, soldados foram levados por um tanque para o Hotel Limburgia, que fechou a fechadura.
16 de setembro Por engenheiros do exército, detritos do Hotel Jennekens foram empurrados para o riacho Geul, que também permitia a passagem de tanques.

Album : Resistência

Pierre Schunck
zoom 100%