MenuMosteiro dos jesuítas text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
previousvolte Indexnext

Mosteiro dos jesuítas

Tamanho original 2464 × 3472 px

Nem todos foram para o seu país natal. O superior e alguns outros pais foram se esconder em casa do reitor do mosteiro de St.Pieter, Rector Eck, um tio da minha esposa.
Ele me ligou com o pedido urgente de visitá-lo. Eu só pensava que as freiras de St. Pieter deviam ser evacuadas para a Alemanha agora. Eles também eram de origem alemã. Mas os monges alemães estavam sentados na sala do reitor. Eles só tinham uma grande preocupação. Ou seja, os vasos sagrados e os preciosos mantos, aos quais eles atribuem um valor sagrado, não devem cair nas mãos dos SS pagãos.
Sua expulsão do mosteiro já havia alguns dias, e várias famílias em Valkenburg (especialmente Caselli e Wijsbek-Caselli) já haviam conseguido pinturas e outras coisas acessíveis. Eles conseguiram fazê-lo com facilidade porque o mosteiro havia sido abandonado por alguns dias. Mas agora havia uma construtora com trabalhadores para preparar a chegada iminente do Reichschule. Os monges me perguntaram, como presidente da KA, se eu conhecia alguém que ousasse revelar suas preciosas posses de ostensórios, cálices, vestidos de missa e relíquias. Eles estavam em um cofre sob a sacristia de sua igreja. Prometi ver o que poderia ser feito e eles me deram as chaves do mosteiro e da sacristia.
A pura coincidência colaborou novamente. Um supervisor de construção da obra do mosteiro telefonou, se não pudéssemos pegar, lavar e devolver a roupa suja deixada pelos jesuítas. Esta foi a grande oportunidade de executar o “trabalho de cálice” no dia brilhante. As caminhonetes estavam todas na estrada, mas o cavalo e o carro estavam em casa. Meu vizinho, Kaspar Donners, e eu, fomos até lá, equipados com algumas cestas de lavanderia. Depois que as cestas estavam quase cheias, eu também fui à sacristia para ver se não havia “vestes litúrgicas sujas” também. Colocamos as ostensivas, cálices e vestes litúrgicas sob as roupas sujas, e os trabalhadores nos ajudaram a içar as pesadas cestas no carro, e Kaspar e eu voltamos para casa ilesos. Tio Eck podia acalmar os pais, que tudo havia corrido de acordo com seus desejos. No entanto, fomos sobrecarregados com um grande valor de «fortuna inimiga». Mas isso ainda não era tudo.
O Reichsjugendführer Rosenberg veio da Lituânia. A nova diretoria (do Reichschule) queria dar-lhe uma preciosa coleção de livros da Lituânia e havia algo parecido na biblioteca dos jesuítas. Mas eles não conseguiram encontrar nada, porque a caixa do cartão de índice estava misturada. Então, o padre bibliotecário foi trazido de volta da Alemanha. Ele teve que juntar esses livros. Bem, esse padre me pediu para continuar a lavar a roupa do Reichschule. Ele disse para ser capaz de esconder alguns livros sob as roupas quando o condutor chegasse.
Ele mismo também contrabandeava pequenos livros, escondido sob seu longo manto. E assim, toda semana, enquanto o padre trabalhava ali, um precioso livro chegava até nós. No guarda-roupa em nosso quarto pendiam preciosas casinhas bordadas à mão, atrás de nossas roupas os cálices estavam escondidos. E na sala de arquivo atrás do escritório estavam os livros antigos. Logo ficou claro para mim que esse método de armazenamento era uma ameaça à vida.

Album : Resistência

Pierre Schunck
zoom 24.350649350649%