Menu text, no JavaScript Log in   Deze pagina in het Nederlands Diese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
para cima


1932, Bronsdalgroeve

25 de março de 1932. As cavernas de calcário Bronsdalgroeve e Vlaberg em Geulweg, Meerssen-Geulhem. Perto do final da guerra, nesta parte subterrânea da pedreira de calcário foi montada uma oficina alemã para a revisão de motores de aeronaves. Na vizinhança dessa parte subterrânea das pedreiras de calcário estava o albergue provisório para as pessoas se esconderem. A irmã mais nova (Carla) de Pierre Schunck contou que uma vez que seu pai Peter, o dono da pedreira e da caverna, deveria guiar um grupo de alemães através do empreendimento. Ele sabia sobre a pousada dos mergulhadores. Quando os alemães queriam visitar a caverna também, ele bateu com uma vara alguns pedaços de calcário do teto e disse: “Nós não podemos ir aqui, por causa do risco de colapso!” De repente, os alemães queria sair e nunca mais voltou.
Fonte da imagem: Historisch Centrum Limburg (HCL)


A história a seguir precisa de uma pequena explicação.

  • Foi enviado para mim da Austrália por um filho de Coen Grotaers, veja abaixo, que também estava envolvido na resistência na pedreira de calcário.
  • Naquela época havia duas pedreiras de calcário em Geulhem no Geul perto do Meerssenerbroek. Um deles era propriedade de Peter Schunck, o pai de Pierre Schunck. Uma parte era um sistema de cavernas muito ramificadas. Lá a pousada dos mergulhadores foi instalada. A outra pedreira pertenceu ao Wim Curfs mencionado abaixo.
  • A seguinte história é provavelmente sobre «Ausweise» (carteiras de identidade) que haviam sido saqueadas no ataque ao escritório de distribuição em Valkenburg. Esperemos que depois desse acidente alguém tenha voltado com novas cartas para Kaldenkirchen.
  • O gás metano de que ele escreve, não era gás de madeira, embora apenas o exército alemão (Wehrmacht) tivesse gasolina. Os carburadores de madeira para produzi-lo não eram inofensivos. Uma pequena fábrica estava presa na cauda ou no teto do veículo. Ali a madeira foi aquecida. Gás de madeira e alcatrão foram, entre outros, os resultados. Então, um não tanque mas um colocar alguns novos logs. Normalmente, um deles carregava o sistema quando estava frio. Mas durante uma longa jornada, quando o sistema estava quente (porque senão não funcionaria), ele poderia pegar fogo. Mas não é o que aconteceu aqui, escreve o filho de Coen Grotaers. Seu pai dirigiu um caminhão movido a gás metano da fábrica. Provavelmente um produto do forno de coque no poço.
  • Este e-mail mostra também que houve contatos com grupos de resistência alemães.
  • Para uma melhor compreensão desta história, você deve ler também a parte das entrevistas com Pierre Schunck, em que ele fala sobre as atividades de resistência no “pousada dos mergulhadores”.

Hi, to whom it may concern.
Meu nome é Victor Grotaers e moro na Austrália, a nordeste de Melbourne.

Meu pai (Coen Grotaers) fazia parte do grupo no Dölkesberrig (Duikherberg) em Geulhem e também trabalhou para Peter Schunck na fusão onde operou o guindaste movido a vapor de 1943 até 1946, que foi usado para minerar a fusão e carregá-la em caminhões. (Esta linha de reboque tinha um balde de 2 metros cúbicos e eu sei que era movido a vapor porque eu costumava ir com ele às vezes e teria que sentar em um daqueles grandes carvões comprimidos em forma de tijolos que entravam na caldeira!)

Vi alguns relatos do movimento de resistência na Internet e reconheci muitos nomes de suas histórias sobre o que nossos pais haviam feito durante suas atividades no movimento.
Ambos os meus pais estavam envolvidos no movimento de resistência. Minha mãe costumava também fazer refeições para os “onderduikers” e escondê-los em um fundo falso no meu carrinho. Eu e meu irmão mais novo, Peter, fomos os chamarizes! (Eu nasci em 1942) (Nós morávamos na primeira casa no topo do Bronsdalweg em Berg en Terbijt)
Em uma ocasião, meu pai estava dirigindo um caminhão (não sei se pertencia a Schunck ou Wim Curfs). Ele teve que ir a Kaldenkirchen na Alemanha com 172 "Ausweisen" falsos para tirar as pessoas daquele campo de concentração. O caminhão funcionou com gás metano. Depois de encher o caminhão em Sittard, algo deu errado e o caminhão pegou fogo, papai ficou gravemente queimado, mas sobreviveu. Isso aconteceu no dia 15 de março de 1944, um dia antes de meu irmão Peter nascer.
Meu pai morreu aqui na Austrália em 1979.
Eu adoraria saber se há registros e fotos nos arquivos que corroborem o envolvimento de nossos pais no movimento de resistência.

Muito obrigado, Victor Grotaers


Nota: Você tem alguma informação sobre a família Grotaers? Por favor, entre em contato comigo e eu irei passá-lo.