MenuO Holocausto esquecido text, no JavaScript Log in   Deze pagina in het Nederlands Diese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte

Roger Moreno Rathgeb, compositor do Requiem para Auschwitz, nos lembrou antes de acender uma vela no memorial «Valkenburg 75 anos liberado» de:

O Holocausto esquecido

Quantos membros de um povo precisam ser mortos até que sejam concedidos o status de vítimas de um genocídio ou, no caso da Segunda Guerra Mundial, de vítimas do Holocausto? Cem mil? Quinhentos mil? Um milhão?
Estima-se que, durante a Segunda Guerra Mundial, entre quinhentos mil e um milhão de Sinti e Roma foram mortos. Nenhum número exato é conhecido, porque muitas dessas pessoas não foram registradas em nenhum lugar durante a perseguição. Outra causa reside no fato de que muitos deles não morreram em campos de concentração, mas foram mortos a tiros e jogados em uma vala comum em vários países em algum lugar do campo ou em uma floresta.

Em 16 de maio de 1944, ocorreu um ataque em larga escala em toda a Holanda, no qual 578 pessoas foram presas e levadas para o acampamento Westerbork. Finalmente, 244 deles foram deportados para Auschwitz-Birkenau em 19 de maio de 1944. Apenas 31 deles sobreviveram à guerra.

O genocídio esquecido

 Settela Steinbach,
19 de maio de 1944

A vítima holandesa mais famosa foi a garota Sinti Settela Steinbach, da aldeia de Buchten, na província de Limburgo, a garota com o lenço na cabeça olhando pela porta de uma carroça. Durante muito tempo, ela foi o símbolo da perseguição de judeus na Holanda, até que o jornalista Aad Wagenaar descobriu sua verdadeira identidade em 1994. Demorou muito tempo para que o povo Sinti e Roma recebesse o status de vítima do Holocausto. Durante muito tempo, eles não foram elegíveis para compensação por seus bens roubados porque não possuíam as provas escritas necessárias. Uma contribuição financeira só surgiu no ano 2000.

A maioria da sociedade holandesa desconhece esses fatos, porque em livros de história, documentários e durante comemorações, apenas os seis milhões de vítimas judias são geralmente mencionados. A história da «perseguição cigana» é geralmente ignorada. Daí o termo «O Holocausto esquecido». Somente em 4 de maio de 2012, o genocídio nos Sinti e Roma foi um item central durante a comemoração nacional dos mortos pela primeira vez desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Muito mais informações, mas ainda não em português: Genocidul uitat Soarta romilor şi sintilor (O Genocídio Esquecido – O destino dos Sinti e Roma)
Disponível em Română, English, Nederlands, Deutsch, Polski, Hrvatski, Magyar