Menu text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
previousvolte Indexnext

Biblioteca dos Jesuítas em Valkenburg, 1936

Em Valkenburg e arredores, havia algumas fundações de claustros alemães no tempo da chamada Kulturkampf (luta cultural) sob Bismarck. Desde 1894, o chamado mosteiro jesuíta era um deles. Na verdade, era a universidade deles, o Collegium Maximum e foi transferido para Valkenburg sob o nome Ignatiuscollege. Foi tomada pelos nazistas para estabelecer ali um Reichsschule der SS (escola para meninos nazistas).
Em seu artigo Niet zeuren maar werken – Twee generaties Eck vanaf 1873, Het Land van Herle, jaargang 65 (2015), nr.3, p.98-126 Christine W.M. Schunck escreveu no parágrafo sobre o reitor Eck: Logo se tornou um centro de ciência e abrigava, entre outras coisas, uma biblioteca com 180.000 livros, um observatório astronômico e também a famosa coleção entomológica do biólogo Erich Weissmann s.j.
Em abril de 1942, os jesuítas de Valkenburg foram forçados pela la SS a retornar imediatamente ao seu país de origem sem seus bens.

Sobre os objetos preciosos que não deveriam cair nas mãos da SS ela escreveu: 38 cálices de ouro, vários relicários com conteúdo, um magnífico conjunto de três paramentos litúrgicos com brocado de ouro, incluindo um pluvial (veste litúrgica) bem como um ostensório, que foi coberto com diamantes redondos (um presente do imperador Guilherme II a um jesuíta da família Hohenzollern), e também preciosas vestimentas e altares.

Album : Resistência

Pierre Schunck
zoom 100%