Ulrich Matthaeas
text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in English - ssssCette page en FrançaisEsta página em Portuguêstop of pageback
Ulrich Matthaeas

Limburg 1940-1945,
Menu principal

  1. Pessoas
  2. Eventos/ Históricos
  3. Grupos de resistência
  4. Cidades e Vilas
  5. Campos de concentração
  6. Valkenburg 1940-1945
  7. Lições da resistência

previousbacknext
 

Ulrich Matthaeas


 11-07-1911 Hannover      21-06-1994 (82)
- Soldados alemães na linha de frente - NSDAP - Criminosos de guerra - Sobreviventes -



www.kreis-viersen.de …

    O comandante de batalhão e criminoso de guerra Ulrich Matthaeas depois de ter sido capturado pelos britânicos
    Foto tirada de Heimatbuch des Kreises Viersen 58 (2007), p. 205.
     [7]

    No último inverno da Segunda Guerra Mundial, Ulrich Matthaeas foi comandante do 1º batalhão do regimento aéreo Hübner e Ortskommandant (comandante da guarnição) de Roermond. Como o Rio Maas, no qual Roermond está localizado, formou a frente neste local, ele também foi comandante da seção da frente. Como ele e seus pára-quedistas se enfureciam ali, você pode ler em nossa história sobre as lágrimas de Roermond. [1]
    Aqui segue uma versão abreviada. Suas ações em Roermond foram motivadas principalmente por sua paranóia sobre os partidários, o que pode ser explicado em parte por suas experiências durante sua carreira militar anterior na Rússia, França e Bélgica. Ele temia que os partidários atacassem seu batalhão pela retaguarda durante os próximos combates. Portanto, ele primeiro usou a população masculina para construir fortificações e depois planejou deportá-los para a Alemanha como trabalhadores forçados para a indústria bélica. Como quase ninguém se apresentou para esta deportação, ele mandou matar 14 homens na floresta Elmpt, no lado alemão da fronteira, perto de Roermond, em 26 e 27 de dezembro de 1944, após um julgamento falso. O fato de que alguns deles (como viria a acontecer mais tarde) eram simpatizantes nazistas não importava.
    Seu ajudante mais importante na execução do terror foi F.W. Held [2].
    Após ser preso no final da guerra, ele foi entregue à polícia militar holandesa em Dachau, em 17 de fevereiro de 1946, que deveria levá-lo ao campo Vught. Eles deveriam fazer uma pausa na representação militar holandesa em Wiesbaden. No caminho para lá, eles haviam maltratado Matthaeas de tal forma que pensaram tê-lo espancado até a morte e o deixaram lá em uma adega aberta. Mas ele tinha acabado de fingir, e fugiu da cidade. Depois de viver sob um nome falso por cinco anos, ele retomou seu nome original quando soube em 1952 que nenhum mandado de prisão havia sido emitido para ele na Holanda. Matthaeas até se alistou em 1956 sob seu próprio nome na recém-criada Bundeswehr do exército da Alemanha Ocidental. [3]
    Coincidentemente, ele foi designado lá como conselheiro de seu ex-comandante de regimento Friedrich Hübner. Este último sabia de seu passado de guerra e imediatamente começou a reunir material incriminatório contra Matthaeas. Seguiu-se uma acusação, mas não foi bem sucedida. [4]
    Ele nunca foi julgado por seus crimes, em parte porque depois da guerra a justiça alemã não foi purgada dos ex-socialistas nacionais. Os links abaixo o levam do ponto 2 aos textos neerlandeses e alemães.

    Anotações

    1. As lágrimas de Roermond
    2. Fred Cammaert, Het Verborgen Front – Geschiedenis van de georganiseerde illegaliteit in de provincie Limburg tijdens de Tweede Wereldoorlog. Doctorale scriptie 1994, Groningen
      6. De Landelijke Organisatie voor hulp aan onderduikers • VIII-IX, p.621 ff
    3. NS-Dokumentationsstelle der Stadt Krefeld Das Mahnmal im Grenzwald von Niederkrüchten
    4. Fred Cammaert, Oorlogsmisdadiger Ulrich Matthaeas en de falende naoorlogse Duitse justitie
    5. liberationroute.com • Razzia’s en verraadRaids and betrayalRazzien und Verrat
    6. maasniel.nl • Het verzet in wereldoorlog 2
    7. https://www.kreis-viersen.de/system/files/dokumente/marcus_klaus_hbv_58_2007_der_tod_im_luesekamp.pdf