Karel Jacobs <i>(Père Hugues /Pater Hugo)</i>
Menu text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in English - ssssCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte

Todas as pessoas caídas da resistência no Limburgo.

previousbacknext

Karel Jacobs (Père Hugues /Pater Hugo)


 1900-11-17 Antwerpen      1943-10-09 Bunnik (Utrecht) (42)
- Bélgica - resistência inicial - prensa clandestina - Gr. Erkens - sacerdote -



Karel Jacobs

      Não era um combatente da resistência na província neerlandesa de Limburg, mas estava em estreito contacto com eles e por isso também aparece nesta lista. A sua actividade de resistência começou por ajudar prisioneiros de guerra franceses fugitivos a continuarem a sua fuga. Foi monge cisterciense na abadia de Val-Dieu e foi ordenado sacerdote a 21 de Outubro de 1932. Ensinou depois história da igreja em Val-Dieu, foi curador do museu da abadia e mestre noviço. Ele e o seu confrade Stephanus o Étienne Muhren, que ele treinou, estavam activos na rede de inteligência Clarence (dr. Jules Goffin de Fouron-le-Comte) e activo no grupo de Clarence chamado Holland (de Nic.Erkens, na altura escondido com as suas irmãs em Sittard). Val-Dieu e as aldeias de Fouron o Voeren estão localizadas no meio da zona de fronteira trilateral Liège-Maastricht-Aachen e foram, portanto, predestinadas a servir de centros para redes de fuga. Os dois monges escondiam os fugitivos no mosteiro e nas quintas circundantes e observavam a actividade de transporte alemã nas linhas de caminho-de-ferro da zona fronteiriça. Foram assistidos pelo seu abade alemão, Alberich Steiger, que, entre outras coisas, banqueou com altos oficiais alemães. Juntamente com padre Hugo e Pol Nolens, vigário em Charneux, foi distribuído um jornal clandestino reproduzido com um duplicador a álcool em Charneux, denunciando os erros do nacional-socialismo nas três línguas nacionais (La Tribune Libreme em francês, Het Vrije Woord em holandês, e Das Freie Wort em alemão).
      Foi preso a 19 de Março de 1943, um dia depois do Padre Étienne ter sido preso pelo Geheime Feldpolizei (Polícia de Campo Secreto) como resultado do Hannibalspiel (Jogo Aníbal), o Padre Hugo Jacobs foi sujeito a duros interrogatórios em Liège numa tentativa (sem sucesso) de lhe extrair uma confissão sobre a cumplicidade ou envolvimento do abade. A 11 de Agosto de 1943, ele e dez outros foram condenados à morte por espionagem e favorecendo o inimigo, por um tribunal marcial em Utrecht. Foram baleados em Forte Rijnauwen, perto de Utrecht, a 9 de Outubro de 1943. A caminho do local da execução, ele e o seu confrade usaram as suas vestes de monge cisterciense branco e cantaram em voz alta um hino religioso. O seu corpo foi cremado, e as cinzas foram mais tarde enterradas no cemitério da abadia. Uma placa comemorativa comemora-o em Forte Rijnauwen e na igreja da abadia de Val-Dieu.

    • http://www.zisterzienserlexikon.de/wiki/Jacobs,_Hugo
    • Wikipedia NL: Abdij van Val-Dieu
    Esta pessoa (ainda?) não está listada nas paredes da capela.02 #03